Redes sociais: o lado positivo de se praticar pirataria digital

A pirataria Robin Hood em busca de um conhecimento aberto

Sim, existe um lado positivo. Assim como em tudo na vida, sempre há um lado bom e outro lado ruim, de efeito contrário. Compartilhar conteúdo ilegal nas redes sociais é, logicamente, ilegal, mas traz consigo um ar romântico, fantasioso, algo como um Robin Hood digital, aquele ser que perde horas passando uma revista no scanner só para publicá-la na rede no dia seguinte ao seu lançamento, transforma CDs raros em MP3 ou sobe filmes que ainda nem estão em cartaz.

O conteúdo ilegal, no caso desse artigo, se refere àquelas produções protegidas por direitos autorais, mas que não ferem as demais leis do nosso país, como materiais ofensivos contendo teor preconceituoso, pornográfico ou violento. O ilegal que compensa compartilhar nas redes sociais é quanto ao conteúdo cultural, que traz consigo uma estrutura de conhecimento que antes só poderia ser adquirida com investimentos altos, como coleções de cursos em DVDs, gloriosas enciclopédias impressas ou palestras caríssimas por aí.

Vale destacar que tratar como romântico o cenário de downloads ilegais nas redes sociais não significa manter uma posição favorável ao mesmo. Apologia ao crime também é crime, mas a nova antropologia urbana digital faz com que pichações ou depredações passem a ser marginais. O politicamente incorreto digital de hoje é a contracultura de ontem. É tudo uma questão de ponto de vista.

Confira também  Como elaborar uma estratégia de redes sociais para blogs

Compartilhar um conteúdo que era restrito somente às classes mais favorecidas economicamente transforma os “marginais digitais” em seres destacáveis nas redes. Se antes o respeito era traçado pelo grupo que demarcasse locais ousados, ou seja, bem vigiados, hoje a reputação entre esses membros se faz na rapidez com que um determinado produto é espalhado – com sua assinatura na rede.

Disseminar uma revista em PDF, uma música em MP3 ou um filme em AVI faz com que mais pessoas tenham acesso a uma cultura que cada vez mais terá menos paredes sociais, políticas e econômicas. Um filme russo pode ser assistido na Suécia e com legendas em português. Tudo isso antes mesmo da versão ser finalizada. O compartilhamento ilegal de conteúdo nas redes sociais é crime, mas traz benefícios instantâneos que governos e entidades nunca se propuseram a fazê-los. Nem mesmo em teoria.

Artigo originalmente publicado no Ponto Marketing.

Ton Torres

Jornalista e blogueiro. Pós-graduado em Tecnologia, Formação de Professores e Sociedade pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e pós-graduado em Jornalismo Científico pela Unicamp. É mestrando em Divulgação Científica e Cultural (MDCC) também pela Unicamp.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *