Como as marcas estão gamificando seus conteúdos no Facebook

Como as marcas estão gamificando seus conteúdos no Facebook
Já tem um tempo que eu tenho entrado no Facebook e venho percebendo que as marcas e empresas estão fazendo um tipo de atualização bem parecida e interessante. Ao invés de apenas criar conteúdo atraente e convincente para fazer as pessoas interagirem com elas espontaneamente, a maioria estão apenas “guiando” seus fãs para que curtam, compartilhem ou comentem suas atualizações. “Curta se você gosta disso” ou “compartilhe se você acha uma coisa e curta se você acha outra”. Isso se repete por toda linha do tempo dessas empresas.

Na verdade, o que elas estão fazendo é gamificando seu conteúdo de uma maneira que isso aumente seu EdgeRank, um algoritmo que determina a qualidade de um post no Facebook. É baseado nele que o Facebook determina se o seu conteúdo será exibido ou não no mural de seus fãs. É um algoritmo bem complexo, mas uma grande parte dos seus dados vêm da quantidade de curtidas, interações e compartilhamentos que um post recebe. 
Quanto mais curtidas, mais visibilidade todos seus futuros posts também terão. Levou um tempo para que as marcas percebessem que o Facebook não é apenas o número de “likes” que a página recebe, mas sim como os seus fãs estão engajados. E parece que grande parte começou a nos incentivar, inconscientemente, a “falar sobre elas”.
Alguns exemplos
Resolvi separar algumas páginas que vi fazendo esse tipo de conteúdo, mas sei que existem muito mais que essas. Apenas estou as utilizando para exemplificar. Confira: 
Fazer esse tipo de atualização é legal uma vez ou outra. Não acho interessante quando acesso a Timeline de uma marca e vou ler seu conteúdo e sempre ver o mesmo joguinho de curtir, comentar e/ou compartilhar um post. Parece que a única coisa que essas páginas querem é que nós literalmente falemos sobre elas, mas estão esquecendo que o Facebook não é uma mídia tradicional e me parece que está sendo tratado como tal. 
A maioria destas páginas apenas falam, falam e falam. Não respondem e nem interagem com um comentário bacana de um fã. A única coisa que fazem, em algumas ocasiões, é tentar resolver uma reclamação feita por um usuário no famoso SAC 2.0. Não sei vocês, mas quando vejo posts assim não sinto aquele sentimento de “ser especial para a marca”.
Facebook precisa corrigir isto rapidamente
O Facebook é muito bom em detectar coisas como esta e dar fim a estas práticas. As empresas já estão proibidas de obrigar os usuários a curtirem sua página para poder fazer alguma outra ação em suas abas e aplicativos. Acho que Zuckeberg deve se pronunciar sobre essa atitude das empresas, tomando alguma atitude, pois isso está deixando a experiência na rede social um pouco menos interessante. No entanto, não podemos culpar essas marcas por serem inteligentes e fazerem o que está funcionando da melhor maneira para que alcancem seus objetivos e tenham mais visibilidade.
Por Vinícius Pinto, administrador, é analista de mídias sociais na Kindle. @vini_pinto

Jornalista e blogueiro. Pós-graduado em assessoria de imprensa, gestão da comunicação e marketing e pós-graduado em política e sociedade no Brasil contemporâneo.

Deixe uma resposta

Cadastre-se em nossa newsletter

  • Receba dicas diretamente no seu e-mail
  • Fique por dentro das novidades do blog
  • Seu e-mail nunca será compartilhado com terceiros