Como estabelecer uma identidade de marca

Foi-se o tempo em que trabalhar o branding era exclusividade de grandes empresas e seus milhões. Hoje em dia, pequenas empresas e mesmo autônomos tem utilizado os conceitos de branding como forma de distinguir-se no meio da multidão de concorrentes. Para quem trabalha na área, sabe que é preciso tempo e paciência para desenvolver uma marca, desde sua criação até sua implementação. Marcas não são criadas da noite para o dia. Ela deve ser planejada, vista e revista. É um processo longo, mas que se feito de forma eficaz, vale a energia gasta.

Uma marca é a imagem pública de uma empresa, produto ou indivíduo. Ela reflete sua reputação. É uma promessa. Quando entregue de forma consistente, uma marca determina a percepção dos consumidores e suas expectativas. Uma marca de sucesso agrega personalidade, valores e incorpora o espírito do que representa.

O objetivo de qualquer estratégia de branding é desenvolver de maneira clara e atraente mensagens consistentes que serão facilmente transmitidas. Uma boa marca contém mensagens que podem falar com diversos públicos, incluindo os atuais clientes, potenciais clientes e clientes com visões equivocadas de sua marca. No entanto, isso precisa ser transmitido de uma maneira simples e direta.

Criando um logo

Uma parte crucial do desenvolvimento de uma estratégia de branding é a criação de uma logomarca forte, mas é de fundamental importância lembrar que o logotipo não é a sua marca. Ele simboliza o visual da marca e pode desempenhar um grande papel no estabelecimento de uma ligação emocional com o produto. Integrar o logotipo em todos os elementos de comunicação empresarial, incluindo, press release, informativos, publicidade, vídeos, boletins, site e meios de comunicação social em geral, é uma parte importante da construção da identidade. Consistência no design, na aparência e no tom são vitais na construção de credibilidade.

A regra número um para o desenho da logomarca é que ela deve ser capaz de falar por si. Logos eficazes não precisam ser explicados. Dê uma olhada em algumas das marcas mais bem sucedidas do mundo: o swoosh da Nike, os arcos dourados do McDonald’s, os anéis das Olimpíadas, o pavão colorido da NBC. É quase impossível pensar em Yahoo! e não ouvir o sotaque do país. Tanto o Google, com seus rabiscos sempre evoluindo para celebrar o dia especial, e o Twitter, com seu pássaro azul, tornaram-se tão bem sucedidos que o léxico americano, por exemplo, passou a incluir o termo “googling” e “twittar” como verbetes. Marcas e identidades visuais fortes ajudam isso a acontecer.

É fácil contratar um designer gráfico e um redator para ajudar na criação dos elementos do branding. Porém, implica tempo, dinheiro e energia perdida se não houver um planejamento bem feito primeiramente. O primeiro passo para começar bem é fazer uma análise SWOT. Ao avaliar as forças, fraquezas, oportunidades e ameaças para uma empresa, é fundamental ser completamente honesto.

Também é importante se atentar para não rejeitar rapidamente uma ideia considerada ridícula durante esta fase de brainstorm. Quando é possível reduzir uma lista de sugestões para as três melhores idéias, um grupo de pesquisas, de cinco a dez pessoas, deve ser reunido para que seja possível avaliar suas reações, percepções, concepções, as conotações, sentimentos e opiniões em geral.

O feedback negativo sobre produtos e serviços deve ser considerado no desenvolvimento da estratégia de branding. Faça uma lista das percepções dos entrevistados e, em seguida, com um olhar crítico, faça uma análise de como contornar essa situação. Por exemplo, um produto que é percebido como sendo ultrapassado, posse ser repaginado, tornando-se algo tradicional e atemporal.

Feito isto, elementos textuais e visuais podem começar a ser desenvolvidos. Eles devem refletir a personalidade e os valores da marca, e também coincidir com o interesse e estilo de vida do público-alvo. Por exemplo, se uma empresa quer atrair um público jovem e atlético, a redação, as fontes e os elementos devem ser lúdicos. Em contrapartida, uma empresa que venda fundos de previdência privada precisa construir uma marca mais moderada, a fim de retratar uma imagem de confiança.

Não podemos esquecer do slogan, que também deve ser desenvolvido para definir o negócio ao seu público. Quando os clientes ouvirem o slogan, devem associá-lo imediatamente à imagem de sua empresa. Por exemplo, quando alguém diz “amo muito tudo isso”, o primeiro pensamento deverá ser McDonald’s.

O importante é lembrar que o slogan deve ser simples e fácil de ser lembrado. Ser espirituoso ou engraçado só é recomendado caso não atrapalhe a transmissão da mensagem. É recomendado, inclusive, que ele seja curto, até porque facilita sua incorporação ao design do logotipo. Levando esses fatores em consideração, só resta que cada membro da organização se recorde que é um embaixador da marca e que com isto deve representá-la da melhor maneira possível. No mais, ponham sua criatividade a obra.

Por Alejandro Mercado, publicitário, designer, programador e web developer. @ale_mercado

Este post foi enviado por um leitor e não reflete, necessariamente, a opinião do blog. Apostamos e defendemos a pluralidade de ideias e opiniões. Para compartilhar um artigo, basta enviá-lo para o e-mail painel@blogmidia8.com

Deixe uma resposta

Cadastre-se em nossa newsletter

  • Receba dicas diretamente no seu e-mail
  • Fique por dentro das novidades do blog
  • Seu e-mail nunca será compartilhado com terceiros